Guarulhosweb
   

Guti considera que o Saae pode vir a ser superavitário

Antonio Boaventura - Do GuarulhosWeb    01/12/2016 17:56

 

Apesar de ter uma dívida estimada em R$ 2,7 bilhões com a Sabesp, o Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) de Guarulhos pode ser superavitário, ou seja, dar lucro, segundo uma apreciação inicial do prefeito eleitor Guti (PSB), conforme ele afirmou durante entrevista coletiva nesta quinta-feira. Na ocasião, ele anunciou os nomes de seus primeiros cinco secretários municipais.
 
Mesmo considerando que o Saae pode ser lucrativo para administração municipal, neste momento, Guti preferiu não falar sobre o que pretende fazer com a autarquia. “É prematuro falar do destino do Saae neste momento de transição. Com certeza, nosso principal objetivo é conseguir distribuir a água para as pessoas e resolver o problema de saneamento. É uma questão complexa, que demanda investimentos e que demora também”, explicou.
 
Entretanto, o prefeito eleito, que assume o cargo no próximo dia 1º de janeiro,  defende a implantação de novas propostas de gestão para que possa tornar o Saae superavitário. Além do problema financeiro e de abastecimento de água em todo município, ele também ressaltou o baixo índice do tratamento de água e esgoto. A cidade trata menos de 3%.
 
“Todos sabem que o problema do Saae hoje é o débito de 2,7 bilhões. Se bem administrado, em uma ótica rápida e sem uma total precisão, até porque estamos tendo conhecimento dos dados agora, se bem trabalhado com uma boa administração o Saae consegue ser superavitário. Tem um orçamento fantástico”, concluiu.
 
Para o ano de 2017, o Saae terá a sua disposição o montante de R$ 634,5 milhões para investimentos em ações voltadas para o abastecimento de água e o tratamento de esgoto, além das despesas administrativas. Guarulhos compra 87% da água consumida da Sabesp e produz apenas 13%. Em audiência pública, o superintendente da autarquia, Afrânio Sobrinho, revelou que estão sendo pagas parcelas mensais de R$ 12 milhões da dívida com a Sabesp.
 

 

 

Insira seu comentário

Seja o Primeiro a comentar esta noticia

Insira um comentário