Guarulhosweb
   

Circulação de ônibus volta ao normal; sindicato descarta nova paralisação

Redação Guarulhosweb    15/03/2017 10:04

 

Depois da paralisação dos ônibus municipais e metropolitanos, que atendem as linhas de Guarulhos, desde às 4h até por volta das 8h desta quarta-feira, as empresas informam que os veículos já foram liberados e estão voltando às ruas para o atendimento à população. Segundo o Sincoverg (Sindicato dos Condutores), que comandou o movimento, que protesta contra as reformas da Previdência e Trabalhista, conduzidas pelo governo federal, não há qualquer previsão sobre novas paralisações nos transportes em Guarulhos no período da tarde. 
 
Conforme o GuarulhosWeb publicou com exclusividade na noite desta terça-feira, o Sindicato das Empresas de Transportes obteve uma decisão judicial, em tutela antecipada, que garantia a circulação de 70% da frota em horários de pico e de 50% nos demais horários desta quarta-feira. No entanto, o Sincoverg ignorou a decisão e manteve a paralisação até às 8h, quando os veículos começaram a sair das garagens. 
 
A Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (STT) monitora o tráfego em toda a cidade e tentou criar alternativas para garantir o direito de ir e vir da população. Nas primeiras horas do dia, apenas parte dos veículos de transporte permissionário (os micreiros) estavam nas ruas. A partir das 7h, a STT liberou a faixa exclusiva de ônibus das avenidas Tancredo Neves e Antonio de Souza, no Corredor Metropolitano, entre o Cecap e o Centro, para a circulação de automóveis. 
 
Aos poucos, a situação começa a voltar à normalidade. Ainda há diversos pontos de congestionamento, principalmente em vias que acessam as rodovias Dutra, Ayrton Senna e Fernão Dias, devido ao excesso de veículos e a uma série de protestos que ocorrem em São Paulo. 
 

 

 

Insira seu comentário

Todos os comentários e opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.

Comentários:

  1. Tiago 15/03/2017 10:58

    Apoiado

    e nao sao algumas categorias que conseguem lutar pelos direitos do cidadao, o que seria de nos? Contra essa reforma da previdencia

Insira um comentário