Guarulhosweb
   

Canadense vence brasileiro e ganha prêmio de US$1 milhão em excelência de ensino

Niviane Magalhães, com informações da Associated Press    19/03/2017 14:17

 


Uma professora de uma escola numa região remota de Quebec, no Canadá, cuja filosofia de ensino ressalta a esperança e atos de bondade, ganhou um prêmio de US$ 1 milhão neste domingo, que se tornou um dos prêmios mais cobiçados e de alto nível para a excelência de ensino.

Maggie MacDonnell recebeu o Prêmio Global de Professores - considerado o Prêmio Nobel da Educação - durante uma cerimônia em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, vencendo milhares de candidatos do mundo todo.

O prêmio foi criado há três anos para reconhecer um professor excepcional por ano que fez uma contribuição notável para a profissão, emprega práticas de sala de aula inovadoras e incentiva outros a se juntar à profissão de professor.

MacDonnell estava entre os 10 finalistas que foram a Dubai para participar da cerimônia. Os nove outros são originários do Paquistão, Reino Unido, Jamaica, Espanha, Alemanha, China, Quênia, Austrália e Brasil - que concorria com o professor de ciências e química Wemerson da Silva Nogueira, do Espírito Santo.

MacDonnell tem ensinado por seis anos em uma aldeia ártica remota chamada Salluit. De acordo com sua biografia, Salluit é o lar da segunda comunidade indígena Inuit mais ao norte em Quebec, com uma população de pouco mais de 1.300 pessoas, e só pode ser alcançado por via aérea.

Sua perseverança para continuar ensinando na área remota, onde muitos professores deixam seu cargo no meio do ano, fez com que ela se destacasse ao prêmio. MacDonnell criou uma série de programas para meninos e meninas, incluindo mentoria de trabalho e fundos para ajudar com refeições saudáveis.

Ela também estabeleceu um centro fitness para jovens e adultos na comunidade local, onde o consumo de drogas e taxas de alcoolismo são elevados devido aos invernos rigorosos da região e isolamento. A pequena aldeia testemunhou seis suicídios em 2015, todos afetando jovens do sexo masculino entre as idades de 18 e 25 anos.

Sua abordagem se concentra em enfatizar "atos de bondade", como executar uma cozinha comunitária e participar de treinamento de prevenção de suicídio.

No ano passado, o professor palestino Hanan al-Hroub ganhou por seus esforços em incentivar os alunos a renunciar à violência e abraçar o diálogo. O prêmio inaugural foi para Nancie Atwell, professora de inglês do Maine.

 

 

Insira seu comentário

Seja o Primeiro a comentar esta noticia

Insira um comentário