Guarulhosweb
   

Oportuna ausência

Ernesto Zanon    14/06/2017 07:32

 

Havia na sessão desta terça-feira certa expectativa em relação ao que a vereadora Genilda Bernardes (PT) teria a dizer, depois que foi desmentida em redes sociais, por afirmar que um desembargador havia lhe dito “informalmente” que o prefeito Guti (PSB) corre o risco de incorrer em crime de improbidade caso não pague as rescisões dos ex-comissionados da Prefeitura. O TJ foi inquirido a respeito e negou a informação.  Por essas coincidências da vida, ela não apareceu. Seus colegas alegaram problemas médicos para sua oportuna ausência. 
 
 
Teatro ou circo 
A sessão da Câmara Municipal desta terça-feira voltou a reviver o velho Fla-Flu, com debates mais acalorados entre vereadores da situação e da oposição. Mais uma vez, vieram à tona os desmandos ocorridos ao longo de 16 anos de administrações do PT em Guarulhos, um período em que a cidade se enterrou em dívidas e problemas dos mais diversos. Um tema chamou a atenção: o reajuste do funcionalismo. 
 
Acendeu o pavio
Geraldo Celestino (PSDB), vice-líder do Governo, relembrou os seguidos reajustes de 1% ao funcionalismo concedidos pelo ex-prefeito petista, Elói Pietá, o que despertou a ira dos vereadores do partido, que tentaram – em vão – querer dizer “que não foi bem assim”. Edmilson Souza, com um pouco mais de propriedade, Romulo Ornelas, perdido, José Luiz, se revezaram na tribuna para tentar defender o indefensável. 
 
Duelo de líderes
Eduardo Carneiro (PSB) e Edmilson Souza (PT), líderes respetivamente da situação e da oposição, travaram os debates mais ácidos, sempre mantendo em alto nível o debate. Ao se referir às defesas dos petistas, o pessebista chegou a dizer que a Câmara é um grande teatro. Seu oponente, com grande relação com a área cultural, disse que não poderia concordar porque via ali pessoas despreparadas, coisa que não acontece no teatro, onde para ser ator é necessário muito preparo. Aliás, o petista tem grande afinidade com a arte de representar. 
 
 
Pós-graduados 
O novato Wesley Casaforte (PSB) reforçou que a Casa parece sim um grande teatro, com atores formados e pós graduados ao longo de 16 anos de mandato de PT, período em que pouco fizeram pela cidade, mas mesmo assim permaneceram em cima de um verdadeiro palco. 
 
 
Dando aula
Lauri (PSDB) chegou a ser irônico ao dar uma verdadeira aula ao “Professor Rômulo”, que momentos antes disse que o prefeito Guti (PSB) só deu um reajuste de 3,26% porque o índice foi imposto pela Justiça. O tucano, com muita elegância, lembrou que “a Justiça não impõe nada. Que o Tribunal Regional do Trabalho foi mediador de uma negociação, que foi aceita tanto pelo governo como pelos servidores”. Elementar. 
 
No queixo 
Quando os petistas tentaram falar em realizações dos governos petistas, o também novato Sérgio Magno (PEN) acertou no queixo de seus interlocutores. Lembrou que na campanha à reeleição em 2012 o então prefeito Sebastião Almeida, que era do PT, prometeu construir um hospital na região do São João. “E o que eles fizeram? Inauguraram uma mal-acabada UPA, que não atende a população a contento”. Souza tentou rebater, mas não convenceu a ninguém. 
 

 

 

Insira seu comentário

Todos os comentários e opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.

Comentários:

  1. wander fortunato 15/06/2017 12:36

    Parcial

    Infelismente esse jornalista e parcial, defende ate os 2% do novo Prefeito, virou torcedor tb, nao muito diferente dos petistas!!!

Insira um comentário


estadao brasil Leia Também

23/08 07:26
Elas no comando
22/08 07:32
Quem deve
18/08 07:38
Guarulhos 2040
17/08 07:34
E tome mistério
16/08 07:27
Papéis trocados