Guarulhosweb
   

Banco e empresas negam favores a frigoríficos

Alexa Salomão e Marcelo Godoy    20/08/2017 09:20

 


Tanto a JBS quanto o BNDES negam a concentração de recursos no setor de frigoríficos utilizando uma conta diferente: somando os investimentos do banco no setor de carnes nos mercados interno e externo. Em nota, o banco informou que "apoiou o desenvolvimento das mais diversas empresas em diferentes setores" e que os investimentos nos frigoríficos fizeram parte de uma política de governo mais ampla: "O apoio recente do BNDES ao fortalecimento e internacionalização de grupos empresariais brasileiros".

Segundo o banco, a orientação governamental "estabeleceu setores com capacidade de projeção internacional a serem apoiados por vários instrumentos de fomento. Coube (ao banco) o papel de financiador dos setores prioritários". O BNDES lembrou ainda que, apesar de seguir a política do governo, suas decisões "são respaldadas por critérios técnicos e pelas melhores práticas bancárias".

O BNDES reforçou que o apoio ao setor de carnes não se restringiu à JBS ou a grandes empresas. "Entre 2005 e 2016, foram contratadas no BNDES R$ 18 bilhões em operações de crédito para mais de 1.700 empresas e cooperativas de abate e fabricação de produtos de carne. O volume representou pouco mais de 1% do valor de todas as operações de crédito aprovadas pelo BNDES."

Na conta do banco entram as operações no Brasil e no exterior. Ele informou que, entre 2005 e 2016, desembolsou em todas as suas operações cerca de R$ 83 bilhões por meio da aquisição da debêntures, ações ou por meio da participação em fundos de investimento, os chamados instrumentos de renda variável. "Desse montante, R$ 12,4 bilhões foram para empresas de abate e fabricação de produtos de carne, cerca de 15% do total.

Atualmente, o setor representa menos de 10% da carteira da subsidiária de participações do BNDESPar", diz a nota. Sobre a delação da JBS, o banco informou que "todos os fatos provenientes de investigações oficiais são objeto de avaliação integral por Comissão de Apuração Interna (CAI)".

A JBS informou que o BNDESPar detém hoje 21,3% de suas ações, com direito a dois assentos no conselho de administração, e negou que essa participação seja fruto de favorecimentos. "De acordo com o Livro Verde, recém-lançado pelo BNDES, entre 2001 e 2016, na lista de maiores clientes do banco, a J&F aparece em 19.º lugar." E concluiu afirmando que "tais investimentos auxiliaram na profissionalização e na melhoria da imagem do setor".

 

 

Insira seu comentário

Seja o Primeiro a comentar esta noticia

Insira um comentário