Guarulhosweb
   

Melhor ser sincero

fe    05/10/2017 18:14

 

A curiosa catilinária elétrica assumida em discursos de governos de alguns países, grupos de pressão (alguns bem intencionados) e até fabricantes de veículos, sempre repercutidos pelo sabor da novidade, continua. Análise mais prudente deveria ser simplória: querer, não é poder. Na vida real há bem mais dificuldades do que se imagina. Voluntarismo nunca funciona pois, afinal, erros podem sair muito caro.

Para começar, existe grande confusão entre carro eletrificado e carro elétrico. No primeiro caso, o motor a combustão continua presente, meramente auxiliado por um elétrico e por isso considerado híbrido. Há uma segunda categoria de híbrido cuja autonomia elétrica é muito baixa (em torno de 50 km), mas a bateria pode ser recarregada tanto em tomadas quanto pelo próprio motor a combustão. O elétrico puro ainda tem grandes desafios a superar até atingir um mínimo de 500 km de autonomia e dispor de pontos de recarga bem distribuídos. Sem contar o problema, ainda por equacionar, de reciclagem de baterias.

Governos de países europeus querem impor datas fatais para que só elétricos possam ser vendidos, sem dizer se híbridos estão incluídos (provavelmente, sim). Alemanha tem uma meta informal de registrar frota de um milhão de veículos elétricos até 2020. No ano passado eram cerca de 75.000. Então, se trata de “coisa para alemão ver”. A China parece mais focada nas intenções de crescimento, de certa forma viáveis.

Em recente palestra nos EUA, Don Walker, presidente da Magna, gigante canadense de autopeças, tocou o dedo na ferida. Previu que elétricos (de verdade) responderão por apenas 3% a 6% do mercado global de veículos até 2025, isso se a China tiver sucesso em seus planos. “Bem francamente, fabricantes de veículos não falam em público no que realmente acreditam. Sabem o que vai acontecer, mas preferem jogar para a plateia e serem percebidas como empresas progressistas”, disparou.

No Brasil, então, nem há força e nem há querer por razões econômicas, logísticas e técnicas. No recente 13º Salão de Veículos Híbridos-Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias, realizado em São Paulo, apareceram dois novos importadores de marcas chinesas Aoxin e Lgao. Testes de alguns modelos, em área coberta, atraíram a curiosidade de cerca de 6.000 visitantes em quatro dias de exposições.

Entre as grandes dificuldades para um crescimento, mesmo incipiente, da opção elétrica no País estão os custos envolvidos. Governos em todos os níveis estão exauridos financeiramente. Incentivos pesados, como ocorrem no exterior, nem ao menos apontam num horizonte longínquo, salvo iniciativas específicas e limitadas. Hoje, em todo o território nacional, há apenas 100 pontos de recarga. Então de pouco adianta ter disponibilidade de energia elétrica de fontes limpas como ocorre no Brasil, apesar de altos e baixos que dependem do regime de chuvas.

Um recado nada animador, porém, veio de uma palestra do analista Ricardo Zommer, do Ministério da Indústria (e outros longos apêndices), durante o Salão. “Espaço (fiscal) para financiar infraestrutura para carros elétricos é inexistente”.

Melhor ser sincero, sem alimentar ilusões.

 

RODA VIVA

 

VOLKSWAGEN definiu ambicioso programa de lançamentos depois da chegada do Polo. Serão mais 19 eventos até o final de 2020 (um deles pode ficar para o início de 2021) e significará a renovação completa de sua atual linha. Isso incluirá a descontinuação de alguns modelos. Empresa inclui na conta produtos importados do México, Argentina e Europa.

REDUÇÃO da sobretaxa de 30 pontos percentuais de IPI sobre veículos importados não terá impacto direto no preço final, mas na oferta. De fato, importadores procuraram ficar dentro da cota de isenção de até 4.800 unidades anuais imposta pelo governo anterior nos últimos cinco anos. Com aumento da concorrência, porém, algum reflexo para baixo tende a ocorrer nas tabelas.

MATERIAIS de acabamento, central multimídia fácil de operar (compatível com aplicativo Waze), isolamento acústico e acerto de suspensões fizeram o EcoSport subir de nível. Impressiona, em particular, a desenvoltura do motor de 1,5 L (3-cilindros) em combinação com câmbio automático de 6 marchas. Motor 2-litros (4-cilindros) chega a “sobrar” no conjunto.

COMPLETA-SE este mês um ano da lei de etiquetagem de pneus. Obriga fabricantes a informar ao cliente resistência ao rolamento, aderência em piso molhado e ruído externo. Pneus sem etiquetas só podem ser comercializados até abril de 2018. Falta o indicador de durabilidade estimada, existente em outros países, apesar do potencial de dúvidas.

FISCALIZAÇÃO de velocidade por sua média ocorre no exterior, em raros casos, em rodovias. Prefeitura paulistana quer “experimentar” a novidade em três trechos urbanos, sem multar, mesmo porque não há previsão na legislação. Motoristas serão só advertidos. Limites de velocidades variáveis, em função de horário e condições de tráfego, seria medida mais eficaz.

____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

 

 

Insira seu comentário

Seja o Primeiro a comentar esta noticia

Insira um comentário


estadao brasil Leia Também

19/10 19:20
De olho no consumo
12/10 18:22
Pesadelo acabou
28/09 20:20
Polo de atrações
21/09 19:51
Viagem ao futuro
07/09 19:19
Ponto de partida