Guarulhosweb
   

Policial realiza segundo parto em menos de dois meses

Katia Russões - Do GuarulhosWeb    06/12/2017 13:16

 

Lorena,  dois meses, e Heitor, cinco dias) têm em comum as histórias de seus partos. Os dois nasceram pelas mãos do cabo da PM Cristiano Oliveira Dantas dos Santos, de 37 anos, durante patrulhamentos de rotina que aconteciam perto de suas casas, nos bairros Santos Dumont e Soberana.
 
Cristiano está há 16 anos na PM e,  assim como todos seus colegas de farda, recebeu um curso básico, onde aprendeu a agir em uma situação de parto. Apesar da preparação, nunca imaginou que isso pudesse acontecer.
 
Antes de entrevistar Cristiano, o GuarulhosWeb conversou com outros policiais do 31° Batalhão de PM, que afirmaram nunca terem participado de uma ocorrência como as duas vividas pelo cabo. Eles afirmam que assistências para encaminhar gravidas ao hospital sempre acontecem com frequência, porém realizar o parto é raro.
 
O PM, que tem duas filhas, contou ainda que muitas coisas mudaram em sua vida depois do primeiro parto. “Vejo também o reconhecimento dos colegas de trabalho, do comandante, da família, nas redes sociais a situação deu um repercussão positiva”, explicou.
 
Parto na viatura
 
No Dia das Crianças deste ano, 12 de outubro, Camila de Moraes Silva, de 24 anos, estava em trabalho de parto, na casa da sogra, no bairro Santos Dumont, quando entrou em contato com o SAMU. A atendente explicava o procedimento para sua cunhada, de 18 anos, que se preparava para fazer o parto.
 
Perto do local, o cabo Cristiano e seu parceiro atendiam uma ocorrência de briga de família, quando foram acionados por moradores para auxiliar Camila que precisava chegar às pressas ao hospital.
 
A principio, os policiais acreditavam que seria possível aguardar a chegada do SAMU, mas nos minutos seguintes Camila avisou que não seria possível esperar pois já sentia o bebê saindo. Camila estava em sua sexta gravidez.
 
No caminho para o hospital, a bolsa estourou e Lorena nasceu dentro da viatura com a ajuda de Cristiano. O policial conta que foram segundos intensos. A principio a criança não conseguia sair, o banco traseiro da viatura é estreito e não acomodava a mãe com espaço suficiente. Mesmo assim o parto aconteceu.
 
Para a surpresa, mais momentos de tensão, a criança nasceu com as vias aéreas entupidas e o policial precisou realizar procedimentos para que ela conseguisse respirar. Na sequência mãe e filha foram levadas para a UPA São João, onde foram atendidas.
 
Hoje o policial recebe fotos da criança e faz visitas regulares. “As pessoas têm uma visão errada da polícia, pensam que eles só fazem coisas ruins e não ligam para a população, mas eles ajudam sim”, explicou Camila.  
 
Parto em casa
 
No último dia 1 de dezembro, Ivanildo Limeira da Silva, de 35 anos, e sua esposa, Thaiara Martins da Silva, de 26 anos, estavam em casa no bairro Soberana, quando as contrações começaram. Thaiara estava em sua terceira gravidez e se preparava para ir ao hospital quando perdeu o controle dos intervalos entre as contrações.
 
O SAMU foi chamado, mas percebendo a demora no atendimento a família ligou para o telefone de emergência da Polícia Militar ‘190’. O cabo Cristiano e seu parceiro estavam patrulhando na região e seguiram para a residência.
 
No local o pai auxiliava no parto quando os policiais chegaram. Cristiano colocou as luvas e conseguiu tirar Heitor, que assim como Lorena, também nasceu com as vias respiratórias entupidas, porém com a ajuda do policial as vias foram desobstruídas e o bebê foi encaminhado para o hospital.
 
Thaiara teve algumas complicações no momento do parto, mas foi atendida pelo Hospital Jesus José e Maria e passa bem. Nesta terça-feira (5) a família esteve no 31°Batalhão de PM para visitar o PM. 

 

 

Insira seu comentário

Todos os comentários e opiniões expressas são de inteira responsabilidade dos autores.

Comentários:

  1. Anônimo 06/12/2017 18:58

    Parabéns! Isto é uma prova de seu comprometimento com a profissão q abraça! .

Insira um comentário