Guarulhosweb
   

S&P 500 e Nasdaq renovam recordes em NY, apoiados por setor de tecnologia

Victor Rezende    23/01/2018 20:55

 


O pregão desta terça-feira, 23, terminou em Nova York sem que os índices acionários apresentassem direção única. O setor de tecnologia novamente voltou a impressionar e fez com que Nasdaq e S&P 500 encerrassem o dia em alta e com novas máximas históricas de fechamento no currículo.

O índice Dow Jones fechou em baixa de 0,01%, aos 26.210,81 pontos; o S&P 500 avançou 0,22%, aos 2.839,13 pontos; e o Nasdaq subiu 0,71%, aos 7.460,29 pontos.

Nesta terça-feira, os analistas do Bank of America Merrill Lynch elevaram as projeções para o S&P 500 neste ano de 2.800 pontos para 3 mil, citando os fortes resultados das empresas e as expectativas com a reforma tributária como os principais impulsionadores do movimento. No entanto, essa ação do BofA veio com um aviso: "estamos à procura de sinais para moderar o nosso entusiasmo com o S&P 500 e 11 dos nossos 19 sinais de bear market foram acionados", disseram.

Enquanto os ursos não dão as caras de forma mais clara, os touros continuam a fazer a festa, dando espaço para que o rali visto nos últimos dias em Nova York permanecesse na sala. Com isso, Nasdaq e S&P 500 renovaram o 11º recorde de fechamento nesta terça-feira, apoiados pelo setor de tecnologia - segmento que foi sensação no ano passado e que continua a impulsionar os ganhos dos mercados.

Pela primeira vez, o valor de mercado da Netflix ultrapassou a marca de US$ 100 bilhões, após a ação da companhia subir 9,98%, na esteira de um balanço que mostrou alta de 177% no lucro líquido na comparação anual do quarto trimestre e forte avanço no número de assinantes. A gigante do streaming impulsionou os resultados de outras techs, como Facebook (+2,15%) e Google (+1,03%). O Twitter, no entanto, destoou do movimento e caiu 2,44%, após o anúncio da saída do diretor de operações, Anthony Neto.

"Após o fim da curta paralisação do governo americano, a performance do mercado está sendo impulsionada, principalmente, pela continuidade dos resultados sólidos das empresas", afirmou o vice-diretor-executivo da Personal Capital, Craig Birk, em nota a clientes.

O ambiente de bull market também recebeu apoio do Banco do Japão. Na decisão de política monetária desta terça-feira, a autoridade monetária manteve as projeções de inflação e crescimento inalteradas para este e para o próximo ano e disse que irá manter o afrouxamento monetário "até que o nível de preços de 2% seja atingido".

 

 

Insira seu comentário

Seja o Primeiro a comentar esta noticia

Insira um comentário