Guarulhosweb
   

EUA: Republicanos dedicam US$ 250 mi para manter maioria na Câmara em eleição

AE    14/04/2018 20:38

 


O Comitê Nacional Republicano (RNC, na sigla em inglês) destinou US$ 250 milhões para uma estratégia eleitoral de meio de mandato que tem um objetivo acima de tudo: preservar a maioria na Câmara dos Representantes para o restante do primeiro mandato do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O comitê está dedicando recursos sem precedentes para construir um exército de funcionários remunerados e voluntários treinados nos Estados. Grande parte dos recursos do Partido Republicano Nacional está concentrada em proteger os assentos da Câmara dos Representantes em Estados como Flórida, Califórnia e Nova York.

"Nossa prioridade número 1 é manter a Câmara. Temos que conquistar a Câmara", disse o diretor político do RNC, Juston Johnson. "Essa é a abordagem que assumimos para montar o orçamento."

O comitê espera ter 900 funcionários pagos em todo o país - excluindo a sede em Washington - antes da eleição de novembro, disse Johnson. O número de voluntários treinados já ultrapassou 10 mil.

O foco da RNC em uma operação de campo sofisticada projetada para identificar e atrair eleitores-chave, uma abordagem defendida pelo ex-presidente do comitê Reince Priebus e expandida pela atual presidente, Ronna McDaniel, deixa o RNC sem recursos adicionais para publicidade na televisão ou na internet. Também coloca uma pressão sobre o presidente e os principais líderes partidários para arrecadar dinheiro para financiar a operação maciça.

Os democratas precisam conseguir pelo menos mais 24 assentos para assumir o controle da Câmara nos últimos dois anos do primeiro mandato de Trump. Eles precisam de mais dois assentos para conquistar a maioria no Senado.

Ronna McDaniel disse que a forte arrecadação republicana permitiu a estratégia agressiva. Durante o primeiro ano da presidência de Trump, o Partido Republicano estabeleceu um recorde de arrecadação de recursos, arrecadando mais de US$ 132 milhões. Fonte: Associated Press.

 

 

Insira seu comentário

Seja o Primeiro a comentar esta noticia

Insira um comentário