Formação constante ajuda no networking, diz Andrea Poleto Oltramari

Alex Gomes - 15/09/2019 09:13


Transformações no mercado têm feito com que se desenvolvam novos conceitos para traduzir habilidades necessárias àqueles que desejam garantir espaço nesse novo cenário.

Hoje, dentre os perfis mais buscados está o "profissional T", letra que simboliza a união do conhecimento amplo e multidisciplinar com aprendizados específicos e técnicos. "Trata-se de um profissional conhecido pela polivalência, mas que também tem suas especificidades. Alguém que é especialista e generalista", diz Andrea Poleto Oltramari, professora na Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pesquisadora do Observatório Internacional de Carreiras (OIC).

Quem é esse profissional T, que alinha o conhecimento amplo com o específico?

Considerando-se as novas condições do mercado de trabalho, altamente digital, o profissional T apresenta uma característica bem peculiar: está permanentemente em atividade, ligado praticamente 24 horas por dia. Isso se dá tanto por meio das próteses tecnológicas, os smartphones, ou até fora dos ambientes online, porque a mente do profissional T está sempre conectada ao trabalho, preparando reuniões ou antecipando urgências. Mas, nesse cenário, não podemos ignorar a questão da saúde física e mental. A disponibilidade 24 horas tem esse ônus.

A personalidade influencia para que alguém tenha mais condições de ser um profissional T?

Com certeza alguém que tenha mais facilidade de se relacionar, de compreender o semelhante, o outro na relação, vai ter mais condições de ser um profissional T do que alguém individualista. É importante, entretanto, notar um paradoxo: as novas configurações de trabalho motivam justamente o individualismo.

Com relação à formação desse profissional, o que é mais indicado: buscar cursos mais longos, como graduações, ou fazer cursos rápidos de forma constante?

Tem de buscar um pouco de tudo. Entretanto, estar em formação constante traz algo que pode até ajudar mais do que o aprendizado em si, que é a formação do networking. Se uma pessoa está sempre em contato com outras, vai se inserindo, desenvolvendo mais e melhores redes profissionais. Relações informais - aquelas que acontecem no momento do café, no intervalo da aula - podem ser mais eficazes para inserir o profissional no mercado do que mandar currículos por e-mail para um contratador de uma empresa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Seja o primeiro a comentar esta notícia.


Participe! comente esta notícia
informe o seu nome.
@
por favor um e-mail válido
T

Veja Também

Homenagem à Santa Dulce dos Pobres reúne 43 mil em Salvador

Cerca de 43 mil pessoas acompanharam neste domingo, 20, as mais de 5 horas de programação em homenagem à Santa Dulce dos Pobres, na Arena Fonte Nova,...

20/10/2019 21:12
ACM Neto nega fusão do DEM com o PSL: Não tem sentido se envolver na confusão

O presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto, o ACM Neto, afirmou neste domingo, 20, que nunca houve qualquer...

20/10/2019 19:58
Para ex-líder do governo no Congresso, quem gosta de cargo é Eduardo

A ex-líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), reagiu neste domingo, 20, aos ataques feitos pelo deputado Eduardo Bolsonaro...

20/10/2019 19:24

Últimas Notícias

Cidades

Guti manda tirar exposição com cunho partidário do Adamastor

Uma exposição de fotos no saguão do Centro Municipal de Educação Adamastor, que exibia imagens de cunho...

20/10/2019 13:57

Carro Express

Fiat Strada Hard Working, a picape pequena feita para o trabalho resiste ao tempo

No mercado há 20 anos, a picape pequena Fiat Strada sobrevive como líder em um segmento que perde espaço para as médias,...

20/10/2019 11:35

Esportes

Flamengo perde de novo do Paulista e adia sonho do acesso à Terceirona

O Flamengo não conseguiu reverter a larga vantagem que o Paulista de Jundiaí conquistou no primeiro jogo da semifinal do...

19/10/2019 19:50