Bretas vê confissão fantasiosa e impõe mais 33 anos a Sergio Cabral

Luiz Vassallo e Fausto Macedo - 09/10/2019 20:27


O juiz da Lava Jato do Rio, Marcelo Bretas, desconsiderou as confissões do ex-governador Sérgio Cabral (MDB) e impôs a ele mais uma dura pena de 33 anos e três meses pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

"Não há que se aplicar a atenuante genérica de confissão (artigo 65, III, do Código Penal), na medida em que não foi autêntica, mas fantasiosa e inverídica a tese de que os valores recebidos se tratavam de doações para fins eleitorais, não amparada em nenhum elemento de prova", escreveu o magistrado.

Com a sentença, o emedebista chega aos 266 anos de prisão.

Segundo consta nos autos, em seu interrogatório, Cabral admitiu que ordenava Carlos Miranda e Sérgio de Oliveira Castro "a entregarem recursos aos irmãos Chebar para custódia, corroborando o que disseram os colaboradores, apesar de afirmar que a origem de tais valores seriam "colaborações para campanhas eleitorais", e não atos de corrupção e que desconhecia o destino final dos referidos valores, assim como as contas em que os mesmos foram depositados".

Carlos Miranda foi braço direito de Cabral e é delator na Lava Jato. Já Sérgio de Oliveira Castro, o Serjão, é tido como operador do emedebista.

Segundo Bretas, o ex-governador "vendeu a empresários a confiança que lhe foi depositada pelos cidadãos do Estado do Rio de Janeiro, razão pela qual a sua culpabilidade, maior do que a de um corrupto qualquer, é extremamente elevada".

"Ainda que não se possa afirmar que o comportamento deste condenado seja o responsável pela excepcional crise econômica vivenciada por este Estado, é indubitável que os episódios de corrupção tratados nestes autos diminuíram significativamente a legitimidade das autoridades estaduais na busca para a solução da crise atual", escreveu.

Nesta ação, o ex-governador é acusado de supostas propinas de US$ 3 milhões da Odebrecht. "De fato, a partir dos depoimentos prestados em Juízo e do
conjunto probatório produzido nos autos ficou devidamente demonstrado que o acusado Sérgio Cabral recebeu no exterior, através da conta AD84 0006 0008 2112 0049 7714, pertencente a empresa CANDANCE INTERNATIONAL INC (fls. 606, aberta pelo colaborador RENATO CHEBAR, ao menos USD 3.000.000,00 em vantagens indevidas pagas pela Construtora ODEBRECHT", escreveu Bretas.

Seja o primeiro a comentar esta notícia.


Participe! comente esta notícia
informe o seu nome.
@
por favor um e-mail válido
T

Veja Também

Prefeitura de Votuporanga demite educadora de creche suspeita de dopar crianças

A prefeitura de Votuporanga, no interior de São Paulo, demitiu uma educadora do Centro Municipal de Educação Infantil (Cemei) Valter Peresi sob...

23/10/2019 17:14
Serra concede vista coletiva para relatório sobre Coaf e encerra audiência

A audiência pública sobre a Medida Provisória 893, que cria o "novo Coaf", transformou-se em um embate entre o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP)...

23/10/2019 16:53
Relator da Lava Jato no STF, Fachin vota a favor de prisão em 2ª instância

O relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, votou nesta quarta-feira, 23, a favor da possibilidade de...

23/10/2019 16:44

Últimas Notícias

Economia

Prefeitura alerta população sobre cuidados na compra de imóveis

Muita gente tem dúvidas na hora de comprar um imóvel sobre quais documentos solicitar e onde procurar informações. Afinal,...

23/10/2019 18:02

Cidades

Alunos da EPG Graciliano Ramos encenam adaptação de obra infantil

O teatro do CEU Ponte Alta recebeu no último domingo, 20/10, a apresentação teatral “Quem tem medo do medo?”, do...

23/10/2019 17:38

Cidades

Prefeitura prepara cemitérios municipais para o Dia de Finados

Nesta semana, os quatro cemitérios municipais de Guarulhos tiveram as obras de zeladoria (roçagem, capina, pintura de guias e poda de...

23/10/2019 17:18